Fluxos Básicos para Controle da Manutenção — Definições Organizacionais

Esta é a primeira de uma série de 4 publicações que faremos sobre Fluxos Básicos para Controle de Manutenção nas quais falaremos um pouco dos dados e fluxos que são fundamentais para a gestão de ativos e serviços dentro de uma empresa. Veja os tópicos abordados nesta publicação:

  • Definição Organizacional
  • Departamentos, Setores e Processos
  • Grupos e Famílias
  • Sintomas, Defeitos, Causas e Soluções
  • Codificação de Ativos

Definição Organizacional

O primeiro passo para uma eficiente gestão dos ativos é a definição organizacional, que nada mais é que a estrutura na qual a empresa se divide desde seus departamentos até a divisão de linhas de produção e processos administrativos. Esta definição será de grande importância para a futura localização dos ativos a serem geridos, pois facilitarão a identificação dos mesmos pelos mantenedores no momento em que a manutenção for realizada.

Utilizaremos por base neste documento o fluxo abaixo:

Departamentos, setores e processos

Ao definirmos quais são os departamentos , setores e processos produtivos de uma empresa devemos definir os dados de disponibilidade, metas de indisponibilidade (tempo de máquina parada aceitável) e também de custos de manutenção desta estrutura de maneira que seja possível a consulta posterior destes dados para efeito comparativo com os valores praticados em determinado período.

Assista aos vídeos da PlayList abaixo e conheça técnicas de cadastros de mão-de-obra, macro estrutura e ativos, utilizando os recursos do SIGMA — Sistema Gerencial de Manutenção.

Grupos e Famílias

São grupos de ativos com mesmas características técnicas, que ao serem definidos facilitarão o agrupamento de ativos. Em software para a gestão de manutenção este item é de vital importância pois permite que sejam consultados itens de ficha técnica comuns a todos os ativos do grupo em questão.

Sintomas, Defeitos, Causas e Soluções

Assim como o fabricante de uma máquina, em seu manual, especifica quais são os defeitos que podem ocorrer na máquina durante sua vida útil, e para estes defeitos recomenda e identifica quais as possíveis causas e indica as possíveis soluções, para um melhor gestão dos ativos é interessante que tenhamos um banco de Sintomas/Defeitos, e a estes vinculemos quais as ações necessárias a se tomar quando estes problemas ocorrerem. Desta forma ganha-se em eficiência e produtividade na hora de colocar novamente um ativo em funcionamento, reduzindo o tempo de máquina parada e aumentando os índices de produtividade do ativo.

Um ponto interessante para se medir a eficiência, como vemos no fluxo acima, é a indicação do tempo estimado para a execução da correção quando um dado problema ocorrer. Desta forma teremos base comparativa para verificar inclusive as causas da ação ter tido um tempo maior que o previsto, o que dará ao planejador dados para que possa avaliar se o tempo estimado é suficiente ou se os funcionários envolvidos na execução da manutenção necessitam de melhor treinamento, ferramentas adequadas, etc.

Também observamos a importância de detalharmos os procedimentos a serem adotados e as ferramentas que devem ser utilizadas para a correção, desta forma mais eficiente será o trabalho realizado pelos mantenedores.

Codificação de Ativos

O uso de sistemas informatizados, em atividades de planejamento e controle da manutenção, obriga o uso de codificações em equipamentos para que o planejador possa indicar de maneira inequívoca em qual equipamento ele está atribuindo tarefas e paradas para manutenção. Exemplos em nosso dia-a-dia: placas dos automóveis, prefixo de aviões o CPF e ou CIC das pessoas, etc.

Portanto, é necessário montar um bom sistema de código que atenda à quantidade de itens a serem cadastrados e que seja fácil de ser usado e que facilite a interpretação, suportando eventos futuros sem modificações.

Abaixo temos um exemplo de como codificar Máquinas, TAGs e Equipamentos:

Outros aspectos que devem ser observados quanto a codificação de ativos:

  • Como chamar seus equipamentos?
  • Quais os equipamentos de manutenção?
  • Existe um código próprio?
  • Respeitar a cultura interna?
  • Interligar com o local de instalação?
  • Pode Correlacionar com:
    >> Os códigos do almoxarifado?
    >> Os códigos do sistema de custo?
Tags: No tags

Leave A Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *